ONIPRESENTE NA CULTURA, NA CULINÁRIA E NA MEDICINA ORIENTAIS, O LÓTUS OFERECE PRAZER AO PALADAR E SAÚDE PARA O CORPO

Por Christian Oliveira

Com as raízes submersas, a flor de lótus (Nymphaea lotus) parece flutuar acima da água. As folhas, de formato arredondado, também se elevam sobre a superfície, e apresentam a característica de autolimpeza, ou seja, repelem a poeira e os microrganismos.

Originária da China, está ricamente incorporada à cultura desse país, onde é cultivada principalmente em províncias do sul e sudeste, como Hunan, Fujian, Jiangsu e Zhejiang. É tema de pinturas e esculturas, musa inspiradora na decoração de ambientes e em adereços de roupas. Está na literatura, na música e na dança e é amplamente utilizada na medicina e na culinária. Toda a planta – das flores aos rizomas – pode ser consumida e possui propriedades terapêuticas.

Diz a lenda que quem a ingere se torna imortal e mantém para sempre a aparência jovem. Isso porque suas propriedades medicinais estão ligadas a longevidade, mansidão, nutrição do coração, funções mentais e vigor. Todas essas características não apenas são mencionadas em estudos modernos como estão documentadas em diversos livros médicos chineses antigos, como o 神农本草经 Shénnóng běncǎo jīng (Clássico fitoterápico do Imperador Vermelho), o 本草纲目拾遗 Běncǎo gāngmù shíyí (Adendo ao Compêndio da materia medica), o 本草纲目 Běncǎo gāngmù (Compêndio da materia medica) e o 本草备要 Běncǎo bèiyào (Introdução à materia medica).

A flor de lótus simboliza a pureza do coração e da mente, a humildade e a honra. Os chineses têm um ditado que diz: “Seja puro como o lótus, forte como a ameixeira e nobre como o jade”. Os povos orientais veem nela um sinal de espiritualidade, pois acreditam que a planta só desabrocha no mundo físico após ter ocorrido seu nascimento no mundo espiritual. Uma antiga lenda conta que, quando Buda deu seus primeiros passos, flores de lótus brotavam por onde ele pisava.

NADA SE PERDE

Na Medicina Tradicional Chinesa (MTC), as sementes de lótus pertencem à categoria das “ervas que estabilizam e vinculam”. Tais ervas são usadas para tratar descargas anormais e deslocamento de órgãos – prolapso da bexiga e do útero, por exemplo. Têm perfil neutro, ou seja, não afetam o equilíbrio do corpo humano por não apresentarem nem características yang (quentes), nem yin (frias). Por seu sabor amargo, auxiliam no processo de digestão e de desintoxicação do corpo. Surtem efeito tônico, pois reabastecem o qi (energia) e o xue (sangue). Ainda segundo a MTC, as sementes de lótus beneficiam o baço, o coração e os rins. O baço auxilia na digestão, na coagulação do sangue e no metabolismo de fluidos do corpo. Além de regular o fluxo sanguíneo, acredita-se que o coração é a reserva do “espírito”, o que basicamente se refere à vitalidade. Os rins, na tradição chinesa, não apenas regulam o sistema urinário como também desempenham um papel fundamental no sistema reprodutivo e no processo de crescimento e envelhecimento do corpo. Por fim, as sementes possuem ainda um efeito sedativo, o que pode ser de grande ajuda no tratamento dos transtornos ansiosos. São indicadas para idosos e pessoas que estejam iniciando processos demenciais, pois podem melhorar a função cerebral (especialmente a atenção e a memória).

A plúmula do lótus (a parte do embrião de onde se forma a haste do vegetal) tem um gosto muito amargo, mas exerce uma ação benéfica sobre o coração, por expandir os vasos e diminuir a pressão arterial. Além disso, é boa para tratar feridas na boca, ajudar na indução e na qualidade do sono e limpar o “fogo do coração” (uma condição energética caracterizada por hiperexcitabilidade, excesso de entusiasmo e euforia).

A flor e a raiz do lótus são ricas em cálcio, fósforo e potássio – principais elementos que formam os ossos e os dentes. Além disso, promovem a coagulação sanguínea, ativam determinadas enzimas, mantêm a condução nervosa, acalmam os nervos e asseguram a flexibilidade muscular e o ritmo cardíaco. O consumo da flor e da raiz tem ainda um papel importante na formação do esperma.

A raiz de lótus estimula a circulação do sangue, propiciando melhor oxigenação dos órgãos e, consequentemente, aumentando a energia e a vitalidade. Por conter piridoxina (vitamina B6, uma das oito vitaminas que fazem parte do chamado complexo B), auxilia no controle da irritabilidade, da depressão e do estresse. Outros efeitos positivos da raiz de lótus são: auxílio na diurese, alívio da azia, melhora dos sintomas de prisão de ventre, diminuição de inflamações e espasmos, redução de estados febris (para maiores de 12 anos), proteção e desintoxicação do fígado, ação antibacteriana e antiespasmódica, diminuição dos níveis de glicose no sangue e auxílio na manutenção da pressão arterial.

REMÉDIO SABOROSO

De acordo com a dietoterapia chinesa (DC), entre as características mais importantes daquilo que comemos estão o sabor e a energia, que manterão o equilíbrio do ser humano. Os pratos compostos por alimentos medicinais chineses seguem receitas tradicionais e técnicas que têm como objetivo manter a saúde, afastar ao máximo as doenças ou minimizá-las quando já instaladas.

Se você quer aprender a preparar um prato simples, gostoso e que trará benefícios ao seu corpo e à sua mente, siga a receita do lótus xadrez.

LÓTUS XADREZ

Ingredientes

  • 400 gramas de raiz de lótus fresca, descascada e cortada em fatias de cerca de 1cm
  • 3 cebolinhas picadas
  • 1 colher de sopa de gengibre em fatias finas
  • 1 colher de sopa de alho em fatias finas
  • 12 pimentas vermelhas secas cortadas ao meio
  • 1 colher de chá de pimenta Sichuan em pó
  • 2 colheres de sopa de vinagre de arroz preto Zhenjiang (ou similar)
  • 2 colheres de sopa de caldo de galinha
  • 1 colher de sopa de molho de soja chinês
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 2 colheres de chá de vinho de arroz Shaoxing (ou similar)
  • 1 colher de sopa de amido de milho
  • ½ colher de chá de sal
  • ¼ de xícara de amendoim cru (sem pele)

Modo de Preparo

  1. Fatie a raiz de lótus, a cebolinha, o gengibre e o alho. Corte as pimentas ao meio, conservando as sementes. Mantenha as fatias de raiz de lótus em uma tigela com água fria até a hora de cozinhá-las
  2. Em uma tigela pequena ou copo medidor, misture os ingredientes para o molho: vinagre, caldo de galinha, molho de soja, açúcar, vinho de arroz, amido de milho e sal. Reserve
  3. Aqueça uma panela do tipo wok. Adicione 2 colheres de sopa de óleo de sua preferência, junte os amendoins e mexa até dourarem (não deixe que fiquem muito escuros para não amargar). Reserve
  4. Escorra as raízes de lótus e enxugue uma a uma. Adicione óleo suficiente para fritá-las. Quando as bordas estiverem douradas, remova as raízes e seque-as em toalhas de papel. Reserve
  5. Reduza a quantidade de óleo da wok que usou para fritar as raízes (aproximadamente 1 colher de sopa), aqueça bem e adicione as pimentas. Frite até sentir um aroma perfumado pela cozinha, sem deixá-las perder a coloração natural. Adicione a cebolinha, o gengibre e o alho e frite até começar a amolecer
  6. Coloque as raízes de lótus na wok, acrescente o molho e cozinhe rapidamente, para que os sabores se misturem. Adicione os amendoins e, em fogo baixo, aguarde o molho engrossar um pouco. Desligue e sirva ainda quente

As infusões também estão presentes na DC. A receita a seguir é indicada para pessoas com problemas respiratórios.

INFUSÃO DE LÓTUS

Ingredientes

  • 20 gramas de raiz de lótus
  • 2 xícaras de água

 Modo de preparo

  1. Amasse as raízes e coloque-as no fogo junto com a água. Deixe ferver e, quando atingir o estado de ebulição, desligue o fogo
  2. Tampe o recipiente e deixe a infusão descansar por 10 minutos. Após o tempo indicado, coe e sirva

Atenção!

Apesar de ser um produto totalmente natural, isto é, não passar por nenhum processo químico durante o seu preparo, a infusão de lótus é contraindicada em três casos específicos: no período gestacional, no processo de amamentação e na infância.